terça-feira, 4 de junho de 2013

Para história da Algot

A fábrica de confecções Algot, das Fontainhas, foi criada em 1966 por um industrial sueco do ramo e começou a laboração em Julho de 1967; trabalhou normalmente até 1973. Após o 25 de Abril, entrou num período conturbado, agravado talvez por problemas na fábrica-mãe, que a levou à falência em 1976.
Em 1978, foi adquirida por um marinheiro também sueco que a aguentou até 1981, altura em que abandonou o país, deixando-a afundada em dívidas.
Seguiu-se uma paragem na produção até ser adquirida, em 1983, por António Queirós, por 25.000 contos, que a manteve até 1995.
Esta fábrica e o processo lento mas imparável que conduziu à sua destruição são, na segunda metade do séc. XX, um acontecimento maior para Balasar.
A empresa teve um crescimento rápido: começada com um reduzido número de trabalhadores, em 1974 já empregava 700 mulheres, que eram trazidas de perto e de longe em dezenas de autocarros.
Fotografia aérea das instalações da Algot em tempo em que a empresa ainda laborava.

Nos anos iniciais ela devia valer uma mina de ouro para os donos. Mas foi no Verão de 1973 que aconteceu o primeiro sobressalto: um motorista sueco informou alguém que na pátria dele as empregadas da firma ganhavam uma coroa à hora, uns 30$00, enquanto as de cá ganhavam 3$50. Isso levou a uma ruidosa manifestação das trabalhadoras, uma greve: pediram 10$00 à hora. Alguém porém vaticinou: - Se se cede hoje, elas amanhã pedem 20$00. Mas decidiu-se que receberiam 9$50.
Entretanto no ano seguinte aconteceu o 25 de Abril e a dimensão da empresa tornou-a apetitosa para os activistas de esquerda do tempo, que destruíam o tecido produtivo do país em nome das suas ideias colectivistas.
Sobre este período, encontrámos num blogue algumas heroicidades de tal gente:

1 de Fevereiro de 1975 – Foi nomeado um representante da Direcção dos Serviços de Relações do Trabalho, do Porto, para mediar o conflito laboral na Algot Internacional Confecções.
2 de Fevereiro de 1975 – O patronato tenta reocupar a fábrica da Algot Internacional Confecções, na Póvoa de Varzim, sendo impedido pelos trabalhadores.
3 de Fevereiro de 1975 – O Plenário de Trabalhadores da Algot Internacional Confecções, na Póvoa de Varzim, entrega a chave da empresa ao delegado do Ministério do Trabalho, depois de 26 dias de greve.

Era o PREC em toda a sua cegueira. Mas as coisas ainda se remediaram algum tempo.
Em breve porém a Algot abria falência.
Foi depois negociada, em 1978, activo e passivo, pelo valor simbólico de uma coroa sueca. Mas o novo dono não vinha com boas intenções, queria era sugar quem lhe aparecesse à frente, até o Estado. E fê-lo enquanto pôde.
Consegui “facilmente empréstimos da banca ou dos organismos estatais, usando os financiamentos em proveito próprio ou até enviando divisas para o estrangeiro, através de subfacturação, e admitido pessoal, só com o intuito de receber subsídio por criação de emprego”[1]. Segundo uma das nossas fontes, o número de empregados chegou então a 1700.

Página inicial do artigo d’O Comércio da Póvoa de Varzim, de 31 de Janeiro de 1985.

O correspondente de Balasar para o semanário A Voz da Póvoa, em 17 de Novembro de 1981, referia-se à situação vivida na fábrica:

Causa-nos imensa tristeza ver fechados os portões da Algot, em Fontainhas.
Judas enforcou-se de remorsos por trair Cristo. Não terão remorsos essas “meninas e meninos” que, levados por demagogias revolucionárias de arautos de novas ideias abrilinas, achincalharam o antigo patrão, levando-o ao ponto de abandonar, vendendo-a, uma empresa desta dimensão?
Não quererão cantar novamente, agora, a Grândola, Vila Morena? Cantar não cantam, mas com certeza que choram a situação que perderam com as atitudes que tomaram, levados pelas palavras dos profissionais agitadores.
Que lhes sirva de lição e que seja alerta para aqueles que têm emprego certo e o não queiram perder, perdendo ao mesmo tempo o pão de cada dia e a segurança no futuro.

“Seguiu-se um ano de paragem em que os trabalhadores apenas permaneciam nas instalações da empresa, recebendo subsídios de sobrevivência da Secretaria de Estado do Emprego. Atendendo à situação caótica e indefinida, esta entidade estatal resolveu contactar vários empresários tentando negocial a empresa”[2].
António Queirós aceitou “as condições pré-estabelecidas pela Secretaria de Estado, comprou a empresa, sendo uma das principais cláusulas do protocolo entre as duas partes proceder ao fecho da fábrica pelo período de cerca de um ano, para a sua reestruturação. Neste período a S.E.E. deveria pagar aos trabalhadores o subsídio de desemprego”.
Em Março de 1983, a Algot reabriu com cerca de 200 trabalhadores, sendo no ano seguinte readmitidos mais 300. A intenção era de os ir readmitindo até à totalidade.
Leia-se agora este fragmento da correspondência d’ O Notícias da Póvoa de Varzim, 23 de Maio:

 Moderno prédio de habitação e comércio.

Na manhã de quarta-feira, dia 16 de Maio, um grupo de sindicalistas do Sindi­cato dos Trabalhadores de Vestuário, La­vandarias e Tinturarias do Distrito do Porto e um grupo de operárias ainda não reintegradas e aliciadas por aqueles tenta­ram entrar junto com as trabalhadoras e trabalhadores na Fábrica Algot de Fon­tainhas, Balazar, Póvoa de Varzim, com fins pouco claros. Já se vê que os traba­lhadores reagiram e houve confronto de trabalhadores contra trabalhadores onde os sindicalistas foram receber tratamento e aquele grupo de mais mirones que outra coisa foi dispersando com a valiosa ajuda da GNR da Póvoa de Varzim que olhou pelo bom senso e conseguiu. Tudo isto, e mais o panfleto dirigido à população, induz em erro o menos informado nestas coisas pois o Sr. Brandão Queiroz nada deve aos operários reintegrados ou não reintegrados.

A situação há-de se ter remediado. Assim, na Festa de Natal da Algot, de 1984, o novo dono pôde dirigir estas palavras de esperança aos seus funcionários e respectivos filhos[3]: 

Outro prédio recente de habitação e comércio.

Já passaram dois anos desde a data em que assumi a gerência desta empresa.
É por isso, hoje, a segunda vez que tenho a enorme felicidade de comungar convosco e com os vossos filhos a Festa de Natal.
Sou um homem que ouço, sofro e atendo, por princípio, aos pedidos e às situações, muitas vezes drásticas, dos trabalhadores.
Continuo no entanto a pensar que, ao não ceder há um ano, na permissão da entrada de todos os trabalhadores, contribuí decididamente para que a Algot se recuperasse financeiramente e dentro em breve esteja recuperada economicamente.
Há um ano trabalhavam nesta casa 220 trabalhadores. Este ano trabalham aproximadamente mais 100.
Pela razão de estarem a ser reintegrados progressivamente, foi possível chegar onde chegámos. E a situação em que nos encontramos hoje é uma situação financeiramente desafogada. E, como testemunho do que vos digo, aproveito este dia para vos anunciar que nos dois primeiros meses do próximo ano serão reintegrados todos os trabalhadores que estão em casa.
Chegando a esta altura é bom recordarmos que continuamos a fazer todos os possíveis para que vos seja pago pela Secretaria de Estado do Emprego aquilo que vos é devido. Como esse trabalho tem que ser nosso, não vale a pena alongarmo-nos sobre esse problema.
Não deixo passar em claro, nem o poderia fazer, lembrar que esses trabalhadores só virão para cá, pelo vosso esforço. Pelo vosso enorme esforço e pela dedicação que têm demonstrado pela vossa empresa.
Todos eles terão que ser, e serão, recebidos com muito carinho.
Esta casa é deles também.
No entanto, devo dizê-lo, todos eles terão que trabalhar nesta casa como vós. O melhor que puderem e souberem.
Isto é uma obrigação que exigirei de todos.
Julgo que em traços largos vos dei uma ideia da situação da empresa que todos ajudámos a construir.
Era isso que desejava. Que acreditassem na Algot, soubessem que se todos continuarem a ser os óptimos trabalhadores que têm sido até agora, de certeza que não tereis necessidade de vos preocupardes quanto ao futuro.
Para finalizar desejo a todos os convidados um Bom Natal, em especial aos trabalhadores e familiares desta nossa casa, Algot.

Estas perspectivas prometedoras já se anunciavam no artigo d’O Comércio da Póvoa de Varzim.
A Algot veio a encerrar em 1995, ao tempo da crise do Vale do Ave.
A sua história é indissociável da actuação dos sindicatos, que tiveram um reiterado papel de bloqueio e destruição. Entre os agitadores que aí vieram contam-se a Ilda Figueiredo e a Zita Seabra.
A família Algot preparava-se originalmente para investir em Mindelo. Na sua vinda para as Fontainhas entra o genro do Chefe Sá – que tinha experiência no ramo da tecelagem e que era dono de parte do terreno onde a empresa foi instalada.
Além das fontes de informação que mencionámos para esta síntese sobre a Algot, usámos um testemunho gravado de um antigo funcionário da empresa.


Na actualidade

Quem se dirige da Póvoa de Varzim para Famalicão não deixa notar, ao meio desse trajecto, que as Fontainhas são o lugar que mais se destaca pelo seu ar urbano: ergueram-se ali vários grandes prédios de habitação e comércio, há duas modernas bombas de combustível, agências bancárias, pequenas indústrias, cafés, farmácia, etc. As construções recentes convivem porém com outras quer mais antigas quer mesmo bastante modestas. O lugar possui a antiga escola primária.
Modernas instalações bancárias nas Fontainhas.

Aparentemente, o fecho da Algot não afectou muito o lugar, mas a sua expansão futura estará condicionada por uma oferta de emprego que ali fixe as pessoas.

Posto de abastecimento de combustível nas Fontainhas.


[1] O Comércio da Póvoa de Varzim de 31 de Janeiro de 1985.
[2] Ibidem.
[3] O Notícias da Póvoa de Varzim de 9 de Janeiro de 1985.

10 comentários:

  1. Boa tarde,
    Eu sou o Quim das caldeiras Nine. A Algot foi a primeira fábrica em que eu trabalhei. Com catorze anos comecei a trabalhar e desde ai vivi muitos momentos com os meus colegas, momentos que nunca esquecerei...
    Infelizmente o tempo não volta atrás, mas, se pudesse ainda lá iria! Muitos Momentos inesquecíveis passei com eles, mas a verdadeira pergunta é: Vou voltar a vê-los?
    Por isso, se alguém dos meus amigos me estiver a ver, faça o favor de me conectar...
    Um grande abraço,

    Joaquim Machado

    ResponderEliminar
  2. Joaquim machado tenho uma foto da equipa algot que gostava de partilhar com copias e para fazer uma nova equipa . 02-03-2016 um grande abraço.

    ResponderEliminar
  3. Sr. Joaquim Machado, se acha que a sua foto pode ajudar a melhorar o meu trabalho sobre a Algot - e com certeza pode - envie-me cópia se faz favor para jsf0449@gmail.com. Obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Sr.Jose ja estou a tratar de lhe mandar a copia da foto.

    ResponderEliminar
  5. Sr.Jose se fosse pocivel juntar todos os jogadores que naquela altura jogabao para um almoco o encontro seria no cafe frente a Algot nao sei se ainda esta aberto amais de trinta e cinco anos nao passo la o casal trabaharão na Algot .Obrigado

    ResponderEliminar
  6. Sr.Jose se fosse pocivel juntar todos os jogadores que naquela altura jogabao para um almoco o encontro seria no cafe frente a Algot nao sei se ainda esta aberto amais de trinta e cinco anos nao passo la o casal trabaharão na Algot .Obrigado

    ResponderEliminar
  7. Sr Jose o segundo patrao da Algot se chamaba Sr Nilas eu nao sabia que tinha sido marinheiro .OBRIGADO

    ResponderEliminar